Diagnóstico

 

Home page
Causas
Prevenção
Detecção Precoce
Diagnóstico
Tratamento
Progressão
Tipos de Cancro
Curiosidades
Comentários

 

- Como diagnosticar um cancro ?

- Uma história clínica e um exame físico a um paciente ajudam o médico a avaliar a probabilidade que uma pessoa tem de contrair cancro e a averiguar quais os métodos mais adequados para o detectar. Geralmente, a pesquisa o cancro é feita através de exames de rotina que detectam, principalmente, os cancros da tiróide, dos testículos, da boca, os ovários, da pele e dos gânglios linfáticos.

- Estes exames contribuem para uma detecção precoce do cancro antes da manifestação dos sintomas. Se num exame o resultado for positivo, é necessário proceder a outros exames mais complexos para que se confirme o diagnóstico. Este, deve ser sempre feito com certeza absoluta, logo, na maioria das vezes são feitas biopsias, ou seja, é feita uma recolha do tecido afectado.

- Outro aspecto essencial que deve ser tido em conta é o facto de determinar o tipo específico de cancro. Após a detecção da presença de cancro no organismo de um indivíduo, são feitos testes para determinar o estádio em que se encontra, bem como a sua localização específica, pois podem ter ocorrido metástases, ou seja, a propagação do cancro a outras partes do corpo. 

- Todos estes procedimentos auxiliam o médico a programar qual o tratamento mais adequado para o prognóstico observado.

- Do total de doentes com cancro, em mais de sete por cento são identificadas em primeiro lugar as metástases do que o cancro original, por vezes este não se consegue descobrir. No entanto, ao serem examinados os tecidos metastizados, consegue identificar-se o tumor primitivo.     

 

Exames para a determinação da fase do cancro

Localização

Tipo de biopsia

Outros testes

  • Cancro da mama

Biopsia com agulha (é introduzida uma agulha na mama para recolher e examinar pequenas quantidades e fluidos e células).

Mamografia; TAC do cérebro; Pesquisa do receptor de estrogénio e progesterona na amostra da biopsia.

  • Cancro do estômago e do intestino

Extracção de tecido para biopsia, através de endoscopia ou com uma agulha (exame guiado para uma TAC).

Radiografia ao tórax; Raio-x de bário; TAC; Exames do fígado; Exames com ultra-sons.

  • Cancro do pulmão

Biopsia do pulmão e da pleura (tecido que cobre o pulmão); Mediastinoscopia (exame visual directo da zona do tórax ente ambos os pulmões através de um tubo de observação).

Radiografias do tórax; TAC; Citologia da expectoração (análise de uma amostra de expectoração).  

  • Linfoma

Biopsia dos gânglios linfáticos; Biopsia da medula óssea.

Radiografias ao tórax; contagem de glóbulos no sangue; TAC; exames com isótopos radioactivos (permite identificar a presença de coágulos no sistema linfático); cirurgia exploratória.

  • Cancro da próstata

Biopsia com agulha

Análises ao sangue para determinar o teor de antigénio específico da próstata; ultra-sons.

  • Cancro dos testículos

Extirpação do testículo para biopsia.

TAC

  • Cancro do útero, colo do útero e dos ovários

Extracção de tecido para biopsia através de uma cirurgia.

Exame da pelve, sobre o efeito de anestesia; ultra-sons.

Determinação dos estádios do cancro:

- Quando se encontra o cancro, os exames para determinar o estádio do mesmo ajudam os médicos a planificar tratamentos apropriados e a determinar o prognóstico. Um elevado número de testes são levados a cabo para determinar a localização do tumor, o seu tamanho, o seu crescimento para as estruturas vizinhas e a sua propagação para outras partes do corpo. Definir o estádio é fundamental para determinar se a cura é possível. Os doentes com cancro, algumas vezes mostram-se impacientes e ansiosos durante estes testes, desejando o tratamento imediato do tumor. Contudo, estas análises permitem aos médicos determinar uma terapia inteligente e planificada.

- O estudo do estádio do cancro pode incluir gamagrafias (cintigrafias), como as do fígado e dos ossos; estudos com contrastes; tomografias computadorizadas (TAC) ou imagens por ressonância magnética (RM) para determinar se o cancro se espalhou. A mediastinoscopia, na qual o interior do tórax (o mediastino) se examina com um instrumento de fibra óptica, é utilizada para determinar se o cancro, em geral o cancro do pulmão, atingiu os gânglios linfáticos. Uma biopsia da medula óssea, em que se extrai tecido do interior de um osso e se examina ao microscópio, pode ajudar a determinar se o cancro se espalhou até aí.

- Por vezes pode ser necessária a cirurgia para determinar o estádio do cancro. Por exemplo, uma laparotomia (uma operação abdominal) permite ao cirurgião retirar ou tratar o cancro do cólon enquanto determina se o mesmo se espalhou aos gânglios linfáticos próximos, a partir dos quais poderá continuar até ao fígado. Uma análise dos gânglios extraídos da axila durante uma mastectomia ajuda a determinar até onde se propagou o cancro da mama e se é necessária uma terapia pós-cirúrgica. Uma operação para extrair o baço (esplenectomia) contribui para determinar os estádios da doença de Hodgkin.

- O exame com ultra-sons (ecografia) é um procedimento indolor e inofensivo que utiliza ondas sonoras que mostram as estruturas dos órgãos. É útil para identificar e determinar o tamanho de certos cancros, particularmente dos rins, fígado, pelve e próstata. Os médicos também usam a ecografia para guiar a extracção de amostras de tecido durante uma biopsia com agulha.

- A tomografia axial computadorizada (TAC) utiliza-se para detectar o cancro no cérebro, pulmões e nos órgãos abdominais, como as glândulas supra-renais, os gânglios linfáticos, o fígado e o baço.

- A linfografia é um exame no qual se injecta um contraste nos pés e se segue, através dos raios-x, à medida que sobe. Ajuda a identificar anomalias nos gânglios linfáticos abdominais, mas desde a chegada da TAC, praticamente já não se usa.

- A obtenção de imagens por ressonância magnética (RM) é uma alternativa à TAC. Com este procedimento, um campo magnético muito potente gera imagens anatómicas perfeitamente pormenorizadas. É particularmente útil na detecção de cancros do cérebro, dos ossos e da espinal-medula. Não se utilizam raios-x e é um procedimento muito seguro.

 

Home page | Causas | Prevenção | Detecção Precoce | Diagnóstico | Tratamento | Progressão | Tipos de Cancro | Curiosidades | Comentários

Este site foi elaborado no âmbito da disciplina de Área de Projecto do 12º Ano.
Todos os dados aqui presentes são fruto de uma pesquisa executada com base em diversas fontes de informação.
Última actualização: 08/05/07.